segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Quando entrei em casa, Daniele arrumava suas coisas, provavelmente para ir embora.
Resolvi não ficar ali mais um dia também... Sempre me trazia recordações, que, no entanto, não me seriam favoráveis; peguei uma caixa e começei a colocar meus pertences, minhas roupas numa mochila, meus calçados; enquanto isso, a minha cabeça fervilhava idéias inúteis e um sentimento de desprezo invadia meu foro íntimo; ela chorava sem parar, e eu trancava o choro goela abaixo, mas era desnecessário, pois ela percebia minha angústia, sem sequer olhar nos meus olhos...
No dvd rolava um som conhecido e que caía bem naquele momento - Mudaram as estações, nada mudou, mas sei que alguma coisa aconteceu. Tá tudo assim, tão diferente. Se lembra quando a gente chegou um dia acreditar que tudo era pra sempre, sem saber que o pra sempre sempre acaba. Mas nada vai conseguir mudar o que ficou, quando penso em alguém só penso em você e aí, então, estamos bem. Mesmo com tantos motivos pra deixar como está nem desistir, nem tentar agora, tanto faz... Estamos indo de volta pra casa... - É, estávamos indo de volta pra casa, nos abraçamos, mas sabíamos o quanto seria imperdoável pra nós mesmos se continuássemos...
Daniele vive tranqüilamente hoje. Mas eu ainda tento encontrar o que Daniele disse que iria encontrar: felicidade plena.

Relatos de Adriana, 16 de Fevereiro de 2008.

3 comentários:

Daniele B. disse...

"Por enquanto"
A trilha musical é perfeita para a situação. Adorei!
-
Impertinência sua? Ora... Muito pelo contrário "fofa", é um prazer enorme recebê-la no meu (im)puro canto, venha sempre.
Se não for incomodar muito estarei sempre que puder aqui, viu?!
(sem apresentações... As pessoas já se conhecem, só faltam reconhecer-se)
Um beijo

M. Lander disse...

Ai, Anaaa!!
Seus posts são sempre mto fofinhooss! ^^

=)


BJO!

Maria Helena disse...

"Felicidade plena"???
Esse bicho existe?
Morde?

Utopias...até eu corro atrás da minha.
Perdão a ausência e a ironia.
Beijos.
M.H