sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Tua beleza sincera

Era dócil, meiga, cintilante...
Tua cor demonstrava desejos, esbanjava prazer e harmonia.
Não falou nada até ser sincera o bastante. E calava-se humildemente diante de pobres espirituais.
Mantinha o sorriso no rosto e a verdade na boca.
Ensinava como distribuir esses sorrisos, não perdia-se à toa, vital era sua imagem!
Mas um dia teve que ir buscar seus tesouros, ir ao encontro de sua glória, mas jamais foi esquecida, pois tudo o que nos mostrou soube acalentar nossos corações, fazendo com que a lembrança de seus feitos fossem eternos... E aos vinte e um... Deixou a vida terrena em busca de Paz. Tal foi a tristeza que nos empurrou ao penhasco, mais abaixo o abismo.
Ouvi uma voz dizendo: "Eu te ensinei, agora demonstre o que aprendeu..."

2 comentários:

Maria Helena disse...

Honre os ensinamentos que ela, onde quer que ela esteja, se orgulhará de você.

Abraço, Sophia!

Julio Cesar disse...

se espire nas suas qualidades...
jamais nos seus defeitos...
sendo eles os mais horriveis possiveis...
e aprenda...
jamais desista...

longa vida a Sophie...
fica com deus...
beijosss...